Compartilhe!

FooFightersBR

Paul McCartney participa do novo disco do Foo Fighters

Dave Grohl fala sobre a participação da superestrela no próximo álbum dos Foo Fighters: ‘Essa pessoa está por aí há um bom tempo’

Há um convidado muito especial no próximo álbum dos Foo Fighters.

Em Junho, durante uma entrevista com a BBC Radio 1, Dave Grohl comentou que o novo álbum da banda, “Concrete and Gold”, tem uma participação surpresa que ele não vai revelar.

“Há uma pessoa que provavelmente é a maior popstar do mundo. Ele ou ela canta ao fundo de uma das músicas mais pesadas do disco. E não vamos contar a ninguém quem é”, Grohl disse.

Agora, enquanto Grohl não revela quem pode ser esse participante, o ET Canada descobriu outra participação no álbum.

Nos sentamos com os Foo Fighters e Grohl nos revelous quem é um dos convidados surpresa do álbum: Paul McCartney.

“Paul McCartney toca bateria em uma das nossas músicas. Ele é um amigo. Conhecemos ele há muito tempo. Ele é ótimo. É a pessoa mais maravilhosa do mundo. Um cara ótimo”, disse Grohl.

“Ele nem tinha ouvido sobre a música ainda. Chegou e o Dave pegou um violão e mostrou bem rápido pra ele como seria. Ele sentou em seu conjunto especial de bateria, que seus técnicos montaram pra ele. Sentei lá com uma baqueta, conduzindo. Ele gravou duas vezes”, a banda revelou ao ET Canada.

Em uma entrevista para a Rolling Stone, Grohl explicou como a participação especial que ele não vai revelar se tornou parte do álbum. “Estávamos quase acabando o álbum e essa pessoa chegou e disse, ‘Cara, eu adoraria cantar no seu disco'”, Grohl admitiu.

“Eu olhei para o [produtor] Greg [Kurstin] e disse, ‘OK, venha amanhã e vamos pensar em alguma coisa’. Então encontramos um trecho para ser cantado ao fundo por essa pessoa e decidimos que tornaríamos este o nosso segredinho, pra ver se alguém descobriria”, ele continuou.

Teremos que esperar para descobrir quando “Concrete and Gold” for lançado no dia 15 de setembro.

Fonte: ET Canada
Tradução: Giovana Moretti

Dave Grohl foi solicitado a deixar o estúdio do Queens of the Stone Age

Enquanto a QOTSA estava trabalhando em Villains, as únicas pessoas que ouviram o trabalho sendo feito foram Dave Grohl e Taylor Hawkins do Foo Fighters. Todos os outros – gerentes, esposas, namoradas, crianças – tiveram que esperar. Foo Fighters estava fazendo o seu álbum novo e os dois grupos iriam atrapalhar as sessões uns dos outros para jantar e beber juntos.

Um dia, Homme estava frustrado com uma música e Grohl disse a ele:
“Você sabe, nem toda musica será a sua melhor música.”

“Eu pensei: esse era um bom conselho”, diz Homme.

Mas eu disse:” Por quê? Por que não? Por que todas as músicas não podem ser as melhores versões de si? “Eu acho que ambos estão certos.”

Ele foi amigo de Grohl desde os 19 anos e o considera um “cara generoso, legal e genial”. “Se alguma vez ele e eu estamos discutindo algo “, ele diz,” Eu sempre admito:  provavelmente você está certo e tudo bem “.

Uma noite, Grohl apareceu no estúdio, enquanto Homme estava “lutando” com uma letra na cabine vocal. Grohl estava “curtindo” e, cauteloso de piorar a situação, o produtor Mark Ronson o afastou.

“Eu não vi porque estava no estúdio lutando contra um monstro, mas nesse caso o Ronson é o novato, foi gentil e estava tentando me proteger.” Talvez, em sua cabeça, ele pensasse que ele também estava protegendo Dave.

A música que Homme estava “apanhando” era Fortress, um hino amoroso que ele escreveu para um ente querido.

“ O refrão me toca de uma forma que torna isso difícil de fazer. É duro dizer “eu te amo” às vezes, sem parecer um idiota, mas sempre há uma maneira de dizer todas as coisas “.

Fonte: Alternative Nation
Tradução: Stephanne Alves

Foo Fighters fez Concrete and Gold com um produtor de música Pop

“Qual é a coisa mais estranha para essa banda fazer neste momento?” O cantor pergunta “Apenas entrar em um estúdio e fazer um álbum fodido como uma banda normal”.

Dave Grohl nos explica como Foo Fighters misturou “Seventies AM gold radio” com Motörhead para o seu novo álbum ‘Concrete and Gold’.

Depois que o Foo Fighters entrou de férias poucos anos atrás, Dave Grohl não sabia o que fazer consigo mesmo. “Eu fiz churrasco por muitos meses, cara”, ele diz com uma risada. “Eu estava fazendo em torno de 8 bifes por semana. Estava um pouco sinistro”.

Na realidade, ele precisava de tempo para se recuperar depois de passar quase um ano na estrada em um “trono” móvel, já que ele quebrou sua perna caindo em um show em 2015 na Suécia. “Tivemos uma ótima turnê, mas ainda não podia andar”, ele disse. “Para cuidar de mim, eu precisava me afastar de tudo. Eu estava em fisioterapia por duas ou três horas por dia durante quase um ano”. Então, ele disse a seus colegas de banda que não queria tocar em um instrumento por 365 dias. “Nós nunca conseguimos muito tempo livre”, diz ele.

Não durou. Seis meses “desde o dia” em que anunciou suas férias, ele escreveu o hardcore pesado “Run”, que se tornou o primeiro single do próximo álbum da banda, Concrete and Gold, que será lançado em 15 de Setembro. Agora a banda está de volta à estrada, passando o verão na Europa e na Ásia antes de começar a outra parte da sua turnê nos EUA em Outubro, com um festival de estrelas apelidado de Cal Jam ’17. O evento terá a banda tocando ao lado de Queens of the Stone Age, Liam Gallagher, The Kills e amigos do grupo. “Não há nada mais ridículo do que ter uma festa de lançamento de um cd com 50 mil pessoas em vez de fazê-lo em algum bar na rua”, diz Grohl. “Vamos apenas fazê-lo com um monte de amigos bagunceiros”.

Quando Grohl começou a escrever Concrete and Gold, ele não tinha nenhum amigo por perto. “Eu não acho que eu fui inspirado primeiramente”, diz ele. “Eu simplesmente senti como se estivesse atrofiado de forma criativa e tive que começar a fazer exercícios para enrijecer o músculo. Depois de talvez 12 ou 13 ideias, mandei para os caras e perguntei: “Estou louco? Ou isso é um cd?” Eles disseram: “Ambos”.

Para escrever as letras, Grohl alugou um AirBnB em Ojai, Califórnia. “Eu trouxe uma caixa de vinho e sentei ali de cueca com um microfone por cerca de cinco dias, apenas escrevendo”, diz ele. “Aconteceu no momento perfeito. Eu estava inspirado pelo que estava acontecendo com nosso país – politicamente, pessoalmente, como pai, americano e músico. Havia muito o que escrever”.

Ele sugere uma visão de mundo sombrio em músicas como “The Sky Is a Neighborhood”, onde ele narra uma noite sem dormir, preocupado com o estado do planeta. Em “T-shirt”, ele diz: “Eu só quero cantar uma longa música / Fingir que não há nada de errado”. E no grito “La Dee Da”, ele homenageou as bandas que ele gostava quando era adolescente – Psychic TV, White House and Death in June, este último era conhecido por imagens fascistas, admitindo que é “controverso, já que não percebi quando era criança “.

Uma vez que as músicas estavam em um lugar decente, Grohl estava pronto para gravar. “Os últimos dois álbuns foram feitos de forma que estávamos tentando sair da nossa zona de conforto”, diz ele, referindo-se ao Sonic Highways de 2014, que foram gravadas em diferentes estúdios em torno dos EUA e Wasting Light de 2011, que eles fizeram na sua garagem. “Eu pensei:” Qual é a coisa mais estranha para essa banda fazer neste momento? Então eu percebi que era só entrar em um estúdio e fazer um álbum fodido como uma banda normal”.

“”Foi como se [Dave] estivesse descrevendo uma odisseia do heavy-metal ” – produtor Greg Kurstin.

As músicas eram cativantes e melódicas, mas ele sabia que poderiam ser melhoradas, então ele pediu ajuda para um produtor que ele amizade há alguns anos, um currículo único. Embora Grohl conhecesse Greg Kurstin principalmente como membro da dupla indie-pop “Bird and the Bee”, Kurstin é mais famoso como o produtor e co-escritor de pop hits como “Hello” de Adele, “Blow Me (One Last Kiss) da Pink “e” Stronger “de Kelly Clarkson. “Eu estava tão apaixonado pelo Bird and the Bee por causa de seu senso de melodia, harmonia, arranjo e composição”, diz Grohl.”. Era claro que quem estava por trás dessa música era alguém especial”. A dupla se conectou e Grohl tentou explicar sua visão.

“Foi como se [Dave] estivesse descrevendo uma odisseia do heavy-metal “, disse Kurstin. “Quando ouvi as demos de Dave, todas soavam novas e excitantes”.

“Eu pensei, ok, eu posso cuidar da parte pesada”, diz Grohl. “Se ele puder fazer aquela coisa “Bird and Bee” sobre esses riffs pesados, então teremos feito o álbum que eu sempre quis fazer, por causa do amor pelo “Seventies AM gold radio” e do amor por bandas como Motörhead”.

Kurstin trabalhou com o grupo no desenvolvimento das músicas nos Estúdios EastWest de Hollywood, escrevendo arranjos incríveis para backing vocals e trabalhando com o engenheiro Darrel Thorp, arrumando todos os sons na mixagem.

A banda e Dave têm tanta motivação, que não sobrou muito que eu pudesse realmente fazer”, disse o produtor Greg Kurstin.

Enquanto trabalhavam, Grohl socializou com os outros artistas que gravavam no EastWest, incluindo Lady Gaga, Justin Timberlake e Shania Twain. Ele pediu a algumas pessoas que ele conheceu para cantar no disco, mas ele não vai dizer quem. “Nem Adele ou Taylor Swift cantaram”, diz ele, apagando rumores. Mas ele encontrou o Shawn Stockman, do Boyz II Men, no estacionamento e pediu-lhe que criasse cerca de 30 backing vocals para imitar um coro sobre a música “Concrete and Gold”, a mente de Grohl “viajando”. “Quando ele saiu da sala, eu me virei para todos e disse:” O cara dos Boyz II Men acabou de elevar o nível. Toda música a deverá ser enorme “. Outros convidados que ele está disposto a revelar incluem Inara George do Bird and the Bee’s, o saxofonista Dave Koz e o Alison Mosshart do The Kills.

Kurstin diz que encontrar espaço para tudo era fácil, além de refazer alguns takes de bateria, porque trabalhar no álbum era divertido. “A banda e Dave têm uma unidade para que não haja muita motivação que eu precisava realmente”, diz ele. “A motivação que Dave tem, ele só tem essa emoção quando ele vem no estúdio, é contagiante”.

Agora que o álbum está pronto e o grupo está na ativa de novo, Grohl se sente rejuvenescido. Ele está ansioso para uma nova temporada de sua série de música ao estilo HBO e viagens Sonic Highways “em algum momento quando puder, mas principalmente ele está apenas curtindo estar na estrada e andar sozinho. “Eu emprestei o trono para o Axl Rose porque ele quebrou o pé há algum tempo, e fui ao show para vê-los”, diz ele. “Foi a primeira vez que fiquei na platéia, observando alguém tocar nessa coisa e pensei:” Essa é a ideia escrota mais ridícula”.

Fonte: Rolling Stone
Tradução:  Stephanne Alves

Parece que o Foo Fighters e o Queens of the Stone Age estão planejando “dominar o mundo juntos”

Josh Homme e Dave Grohl

“Ainda há álbuns de rock n’ roll para serem feitos”

Os Foo Fighters falaram sobre como eles e o Queens of the Stone Age inspiraram um ao outro enquanto faziam seus novos álbuns ─ e seus planos para “dominar o mundo juntos”.

As duas bandas estavam a apenas um quarteirão de distância uma da outra enquanto gravavam seus discos “Concrete and Gold” e “Villains”, e dizem que foram instigados por uma competição amigável enquanto faziam o que o baterista dos Foos, Taylor Hawkins, descreveu como “discos opostos”.

“Uma das coisas que foram empolgantes por estarmos do outro lado do estacionamento [em relação ao QOTSA] gravando esse disco é que estava claro que ainda há álbuns de rock n’ roll para serem feitos”, diz o líder Dave Grohl à Music Week. “Eu ouvia o que os Queens estavam fazendo e era perfeito. Soava muito bom. E o Josh [Homme, líder] ia até nós e ouvia o que estávamos fazendo também. Eu lembro de termos tocado ‘Arrows’ para ele, e ele disse ‘Deus, estou feliz por vocês estarem finalmente fazendo um álbum obscuro. Acho que inspiramos uns aos outros'”.

Hawkins acrescentou: “Um bom espírito competitivo. É como se quiséssemos fazer um álbum melhor que o deles, e eles quisessem fazer um álbum melhor que o nosso”.

Grohl continuou: “Josh e eu estávamos trocando mensagens outro dia, e pensamos, ‘bem, vamos apenas fazer isso e dominar a porra do mundo juntos’. Vamos fazer isso, por que não?”

Os Foo Fighters lançarão o “Concrete and Gold” no dia 15 de setembro e se apresentação no The O2 em Londres no dia 19 de setembro.

Enquanto isso, o Queens of the Stone Age lançará o novo álbum “Villains” no dia 25 de agosto.

Ao falar para a NME sobre a sonoridade do álbum, o líder Josh Homme disse: “Há alguns momentos mais lentos, mas eu gosto de dançar, cara, e quer seja no Eagles of Death Metal, no Queens ou no Them Crooked Vultures, não há razão para não juntar rock n’ roll com dança, aleluias e escuridão, tudo em uma coisa só. Em um mundo desesperado por ‘curtidas’, eu acho que o ‘Villains’ está mais para “nós vamos receber as descurtidas, aceitaremos todas as rejeições’. Esse álbum está aqui para fazer o trabalho dos caras maus”.

Ele acrescentou: “O Queens sempre foi como uma sorveteria ou um fliperama, está livre das merdas do dia-a-dia. Não estou interessado em ser tópico desta forma, mas ao mesmo tempo é completamente sobre o momento atual”.

Imagina se Foo Fighters e QOTSA vem juntos ao Brasil?

As próximas datas de shows do QOTSA no Reino Unido e Irlanda seguem abaixo:

NOVEMBRO
18 (sábado) – LONDON SSE Arena Wembley
19 (domingo) – MANCHESTER Arena
21 (terça) – LONDON O2 Arena
23 (quinta) – EDINBURGH Usher Hall
24 (sexta) – DUBLIN Arena

Fonte: NME
Tradução: Giovana Moretti

Ouça “Slackers Password”, demo inédita de Dave Grohl gravada antes do Foo Fighters

Dave Grohl e Barrett Jones ouvindo demos antigas

Temos mais uma canção inédita de Dave Grohl na área!

Depois de liberar a primeira demo de “I’ll Stick Around” e váááárias outras raridades em seu canal, o produtor Barrett Jones acaba de postar uma cena cortada de Sonic Highways (2014) onde, junto com Dave, ouve as músicas “Watered it Down” (já revelada antes) e a inédita “Slackers Password”.

O canal de Jones está cheio de vídeos que mostram ele e Grohl desenterrando músicas de antes do Foo Fighters, e você pode conferir na playlist abaixo!

Por Stephanie Hahne